sexta-feira, 26 de setembro de 2014

O AUDI TÊTÊ



A minha fila estava parada e a fila do lado estava barrada por um camião de umas obras. O fulano do lado aproveitou o meu arranque suave e elegante para atravessar-se na minha frente, sem pisca, sem olhar. O tipo atrás de mim passou-se. Buzinou até acordar a mãe.
Olhei para o tipo que se meteu, num Audi TT descapotável.
Semi-careca loirinho, pálas escuras, a falar para o lado. Ao lado dele via-se a ponta de outra cabecinha, com óculos a fazerem de bandolete. Loira. O mesmo tom. Vão ao mesmo salon e pedem o mesmo tom!
Adiante havia um semáforo a fechar e decidi: Vai ter de parar e já lhe digo qualquer coisa melhor do que refilar e buzinar:
“Pena esse carro ser feito para homens mais altos. Olhe esse braço. O cotovelo para fora à altura da cabeça. Os ombros não se vêem. Fica-lhe mal. O carro fica-lhe mal, está a ver? Ela nem sequer consegue ver para a frente. Usem umas almofadinhas.”
Mas não deu. Ele passou o semáforo já no vermelho descarado, obviamente com medo de ficar perto do tipo que vinha atrás de mim. Para esse nem olhei. Não partilho as minhas raivas com qualquer um.


Sem comentários:

Publicar um comentário